Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sessão da Meia Noite

Comentários pessoais e (in)transmissíveis sobre cinema e televisão.

Sessão da Meia Noite

Comentários pessoais e (in)transmissíveis sobre cinema e televisão.

66º Festival Internacional de Cinema de Berlim

A 66ª edição do Festival Internacional de Cinema de Berlim terminou no passado dia 21 de fevereiro com a consagração do documentário “Fire at Sea” do italiano Giafranco Rosi arrecadando o Urso de Ouro. Esta coprodução ítalo-francesa retrata as agruras da vida dos refugiados na Ilha de Lampedusa, à beira do El Dorado.

66_Berlinale_PlakatA4_Wettbewerb_web_IMG_367xVAR.j

 

O Urso de Prata do Grande Prémio do Júri foi para “Death in Sarajevo” de Danis Tanovic, um drama Bósnio sobre o ciclo do ódio na Bósnia Herzegovina incorporando toda a diversidade cultural e étnica presente neste recente país dos Balcãs.

 

800.gif

O Urso de Prata para melhor realizador foi para a francesa Mia Hansen-Love, pelo filme “Things to Come”, um drama franco-germânico protagonizado por Isabelle Huppert sobre uma professora de filosofia que tem que repensar a sua vida já muito analisada, por inerência da sua atividade, numa fase pós divórcio inesperado.

 

Para a comitiva portuguesa, a 66ª Edição da Berlinale não foi nada má. Dos oito filmes que representaram o país no certame, quatro no quadro competitivo, a produção “Balada de um Batráquio” de Leonor Teles venceu o Urso de Ouro, para melhor curta-metragem.

Leonor-Teles-Balada-de-um-Batráquio.jpe

 

O filme de onze minutos trata a discriminação contra os ciganos e aborda com humor ácido a prática dos estabelecimentos comerciais utilizarem sapos de porcelana nas portas das lojas para assim os evitar.

 

Com esta vitória, Leonor Teles passa a ser a mais jovem realizadora de sempre a receber um Urso de Ouro para melhor curta-metragem no Festival de Berlim.

 

Ficam os títulos que representaram Portugal na 66ª Berlinale:

Longa-metragem “Cartas de Guerra” de Ivo Ferreira

Longa-metragem “Posto Avançado do Progresso” de Hugo Viera da Silva

Curta-metragem “Balada de um Batráquio” de Leonor Teles

Curta-metragem “Freud und Friends” de Gabriel Abrantes

Curta-Metragem “L’Oiseau de la Nuit” de Marie Losier

Documentário “Eldorado XXI” de Salomé Lamas

Documentário ficcionado “Rio Corgo” de Sérgio da Costa e Maya Kosa

Filme-ensaio “Transmission from the Liberated Zones” de Filipe César

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.